Waters of the March (aguas De Marco) is widely regarded as the best song from Brazil and one of the best in the world.

 

In 2001, Waters of March (Aguas De Marco) was voted the best Brazilian song of all time by journalist and musicians alike on a poll done by Folha de Sao Paulo. Written by Antonio Carlos Jobim, it is regarded by many as his finest work and has become a mainstay in both the world of bossa nova and Jazz.

Antiion Carlos Jobim and Elis Regina

Antiion Carlos Jobim and Elis Regina

As the name would suggest the song is centered on the increased rainfall characteristic of the Month of March in Brazil. Jobim, an environmentalist, used rainfall as a metaphor for the human condition.  In Brazil the rainfall of March indicates the end of the summer period. Much like the rain we will eventually fall and our life will end like the summer ends every march.  The use of seasons also parallels how human life is one that is experiences in stages and cycles.

“It’s is a stick, a stone, a sliver of glass….” is an example of the common everyday items that jobim mentions being washed away by the continued flow of water that results due to the rainfall. These everyday items represent the regularity of life and just as those inanimate objects are moved by the water, so too are our lives moved by forces out of our control, such as nature.

Original score

Original score

The metaphor does not stop there though. The entire structure of the song acts as a metaphor with Jobim composing the melody so that each series of notes is done in a descending pattern. In this way the musical notes fall just as the raindrops fall. There have been numerous covers , most notably by the likes of  Joao Gilberto , Sergio Mendes, Al Jarreau, David Byrne, Lisa Ono as well as a host of others.

Interestingly enough Tom Jobim wrote both the English and Portuguese lyrics for the song.

 

[learn_more caption=”Lyrics”]

[tabcontainer] [tabtext]Portuguese[/tabtext] [tabtext]English [/tabtext] [/tabcontainer] [tabcontent]

É pau, é pedra, é o fim do caminho
é um resto de toco, é um pouco sozinho
é um caco de vidro, é a vida, é o sol
é a noite, é a morte, é um laco, é o anzol
é peroba do campo, é o nó da madeira
cainga, candeia, é o Matita Pereira
É madeira de vento, tombo da ribanceira
é o mistério profundo
é o queira ou nao queira
é o vento ventando, é o fim da ladeira
é a viga, é o vao, festa da cumeeira
é a chuva chovendo, é conversa ribeira
das aguas de marco, é o fim da canseira
é o pé, é o chao, é a marcha estradeira
passarinho na mao, pedra de atiradeira
Uma ave no céu, uma ave no chao
é um regato, é uma fonte
é um pedaco de pao
é o fundo do poco, é o fim do caminho
no rosto o desgosto, é um pouco sozinho
É um estrepe, é um prego
é uma ponta, é um ponto
é um pingo pingando
é uma conta, é um conto
é um peixe, é um gesto
é uma prata brilhando
é a luz da manha, é o tijolo chegando
é a lenha, é o dia, é o fim da picada
é a garrafa de cana, o estilhaco na estrada
é o projeto da casa, é o corpo na cama
é o carro enguicado, é a lama, é a lama
é um passo, é uma ponte
é um sapo, é uma ra
é um resto de mato, na luz da manha
sao as aguas de marco fechando o verao
é a promessa de vida no teu coracao
É pau, é pedra, é o fim do caminho
é um resto de toco, é um pouco sozinho
é uma cobra, é um pau, é Joao, é José
é um espinho na mao, é um corte no pé
sao as aguas de marco fechando o verao
é a promessa de vida no teu coracao
É pau, é pedra, é o fim do caminho
é um resto de toco, é um pouco sozinho
é um passo, é uma ponte
é um sapo, é uma ra
é um belo horizonte, é uma febre terca
sao as aguas de marco fechando o verao
é a promessa de vida no teu coracao
É pau, é pedra, é o fim do caminho
é um resto de toco, é um pouco sozinho
É pau, é pedra, é o fim do caminho
é um resto de toco, é um pouco sozinho
Pau, pedra, fim do caminho
resto de toco, pouco sozinho
Pau, pedra, fim do caminho,
resto de toco, pouco sozinho.
A stick, a stone,
It's the end of the road,
It's the rest of a stump,
It's a little alone
It's a sliver of glass,
It is life, it's the sun,
It is night, it is death,
It's a trap, it's a gun
The oak when it blooms,
A fox in the brush,
A knot in the wood,
The song of a thrush
The wood of the wind,
A cliff, a fall,
A scratch, a lump,
It is nothing at all
It's the wind blowing free,
It's the end of the slope,
It's a beam, it's a void,
It's a hunch, it's a hope
And the river bank talks
of the waters of March,
It's the end of the strain,
The joy in your heart
The foot, the ground,
The flesh and the bone,
The beat of the road,
A slingshot's stone
A fish, a flash,
A silvery glow,
A fight, a bet,
The range of a bow
The bed of the well,
The end of the line,
The dismay in the face,
It's a loss, it's a find
A spear, a spike,
A point, a nail,
A drip, a drop,
The end of the tale
A truckload of bricks
in the soft morning light,
The shot of a gun
in the dead of the night
A mile, a must,
A thrust, a bump,
It's a girl, it's a rhyme,
It's a cold, it's the mumps
The plan of the house,
The body in bed,
And the car that got stuck,
It's the mud, it's the mud
Afloat, adrift,
A flight, a wing,
A hawk, a quail,
The promise of spring
And the riverbank talks
of the waters of March,
It's the promise of life
It's the joy in your heart
A stick, a stone,
It's the end of the road
It's the rest of a stump,
It's a little alone
A snake, a stick,
It is John, it is Joe,
It's a thorn in your hand
and a cut in your toe
A point, a grain,
A bee, a bite,
A blink, a buzzard,
A sudden stroke of night
A pin, a needle,
A sting, a pain,
A snail, a riddle,
A wasp, a stain
A pass in the mountains,
A horse and a mule,
In the distance the shelves
rode three shadows of blue
And the riverbank talks
of the waters of March,
It's the promise of life
in your heart, in your heart
A stick, a stone,
The end of the road,
The rest of a stump,
A lonesome road
A sliver of glass,
A life, the sun,
A knife, a death,
The end of the run
And the riverbank talks
of the waters of March,
It's the end of all strain,
It's the joy in your heart.
[/tabcontent]
[/learn_more]

 

 

Our Selected Versions